Tel.: (71) 3217-8600 / e-mail: ouvidoriahs@prodalsaude.com.br

Paralisia Infantil
Saiba mais sobre ela

A poliomielite é uma doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito. No Brasil, não há circulação de poliovírus selvagem desde 1990, em virtude do êxito da política de prevenção, vigilância e controle desenvolvida pelos três níveis do Sistema Único de Saúde (SUS).

Mesmo neste cenário positivo, a prevenção à doença deve continuar para evitar o surgimento de novos casos. Nos últimos três anos, o vírus circulou em 23 países e antes da sua erradicação do território brasileiro a poliomielite foi um dos maiores desafios de saúde pública do país, com 26 mil casos registrados de 1968 a 1989.

Com o objetivo de informar visitantes e acompanhantes de pacientes internados, o Hospital do Subúrbio (HS) elaborou material explicativo, por meio do seu Núcleo de Vigilância Epidemiológica. Na paralisia infantil, como é conhecida a poliomielite, o déficit motor se instala subitamente, acometendo em geral os membros inferiores, de forma assimétrica, e tendo como principal característica a flacidez muscular, com sensibilidade conservada e ausência de reflexos no segmento atingido.

Folder sobre poliomielite produzido e distribuído pelo Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HS

Sequelas e formas de transmissão – Algumas das sequelas causadas pela doença são dores nas articulações; pé torto, situação em que a pessoa não consegue andar porque o calcanhar não encosta no chão; crescimento diferente das pernas; osteoporose; paralisia de uma das pernas; e paralisia dos músculos da fala e da deglutição.

A transmissão ocorre por contato direto pessoa a pessoa, frequentemente pela via fecal-oral, por meio de objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou portadores, e pela via oral-oral, através de gotículas de secreções ao falar, tossir ou espirrar.

Vacinação – A vacina é a única forma de prevenção contra a poliomielite. Toda criança menor de cinco anos de idade deve ser vacinada conforme esquema de vacinação de rotina e na campanha nacional anual. A vacinação deve ocorrer de acordo com a seguinte programação: 1ª dose da vacina (VIP) aos 2 meses; 2ª dose da vacina (VIP) aos 4 meses; 3ª dose da vacina (VIP) aos 6 meses; 1ª dose do reforço (VOP) aos 15 meses e 2ª dose do reforço (VOP) aos 4 anos.